A montanha-russa chamada faculdade

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

16/04/2018 às 16:59 
Maria Eduarda Kato

Agência Facopp

Uma amiga minha costuma brincar que a vida é uma montanha-russa: uma hora estamos lááá em cima e na outra beeem lá embaixo. Apesar dessa ideia poder ser aplicada em qualquer área da nossa vida (afinal, vivemos entre altos e baixos), a faculdade é uma em especial em que ela se encaixa perfeitamente.
 
Uma semana na faculdade é como ser aquela criança que mal sai da montanha-russa e já entra na fila para ir de novo. Entre segunda e sexta-feira, as descidas e subidas são tão bruscas que a gente mal acredita que fomos nós mesmos que decidimos entrar naquele parque de diversões. Conseguimos ir, em questão de minutos, de “meu deus, eu nasci pra isso” para “(insira seu palavrão de preferência), o que é eu tô fazendo aqui?”.
 
Sim, dá saudade do ensino médio que você disse que nunca sentiria falta. Dá vontade de desistir. Dá a sensação de estar fazendo tudo errado e acabando com a própria vida. Mas, acredite em mim, se a satisfação de lidar com a área escolhida ainda for maior que todo o cansaço daquele trabalho que parecia ser impossível de terminar, tudo está valendo a pena. E acredito que ainda vai valer ainda mais quando você olhar pra isso tudo lá da frente.
 
É muito difícil qualquer pessoa ter 100% de certeza daquilo que quer o tempo todo. Na faculdade, então… O comum é que ninguém saiba nem pra que lado ir mesmo.  Os nossos sentimentos também são uma montanha-russa. Vivemos entre escolhas e muitas incertezas. A nossa maior motivação de hoje pode ser a causa do desânimo de amanhã. E isso é normal. Ter que “escolher aquilo que vamos fazer pelo resto das nossas vidas” coloca um peso tão grande nas nossas costas que, muitas vezes, nos faz ver nossa graduação mais como um problema do que uma escolha feita por nós mesmos.
 
No final das contas, estamos todos no mesmo vagão da montanha-russa. Às vezes lá em cima. Às vezes lá embaixo. Não importa. O que vale mesmo é que, enquanto ainda houver o frio na barriga entre a subida e a descida continuaremos na loucura desses trilhos.   

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Portal FACOPP | Faculdade de Comunicação Social "Jornalista Roberto Marinho" de Presidente Prudente | © 2019 Todos os direitos reservados.