Como a preocupação com coronavírus pode afetar o psicológico das pessoas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

14/05/2020 às 09:30
Matheus Santiago e Vinícius Coimbra

Para Rayeni Emerich, se maquiar alivia o estresse e é algo que a tranquiliza, mesmo nos momentos de ansiedade (Foto: Cedida)

São tempos difíceis de isolamento social, não há como negar. Esta restrição já é uma realidade em grande parte dos países no mundo todo e, para lidar com esta situação delicada, é fundamental cuidar da mente.

Medos, incertezas com o futuro, mudanças no ritmo das relações sociais. Esses e outros fatores podem culminar em transtornos como depressão e ansiedade. Então, como preservar a saúde mental nesses momentos críticos?

Segundo o psicólogo do Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Presidente Prudente, Francisco Roberto de Menezes, o momento que vivemos pede atenção e a pandemia do Covid-19 apresenta riscos para o surgimento ou agravamento da ansiedade.

“O excesso no consumo de notícias, ainda que confiáveis, sobre o novo coronavírus em vez de deixar mais informado pode gerar medo, preocupação, estresse. Além de criar uma “pauta única” nos lares confinados, fazendo que não percebam outras necessidades, o hiperfoco dificulta a capacidade individual de analisar com objetividade e clareza as informações recebidas”, afirma o psicólogo.

Rayeni Emerich, 28 anos, é jornalista e possui quadros de ansiedade e depressão. A ex-facoppiana relata as dificuldades que têm passado por conta dos problemas psicológicos neste momento de pandemia.

“Neste período de isolamento social, minha ansiedade às vezes ataca um pouco e por mais que eu não saia muito para festas e algo do tipo, tenho meu serviço, mas atualmente estou parada por ser do grupo de risco. Então tem dias que estou cansada de ficar presa em casa, quero sair ou fico muito estressada e é quando minha crise ataca. Sinto o corpo trêmulo, às vezes uma sensação de frio e os nervos do ombro ficam rígidos. É bem ruim”, afirma a jornalista.

Durante a pandemia, ver notícias positivas e tentar se distrair em momentos oportunos é importante para muitas pessoas. “Eu sofro de ansiedade há mais ou menos cinco anos e, para tentar amenizá-la neste período complicado, tento ver notícias que me deixam mais otimista, vídeos descontraídos. Também procuro cozinhar e trabalhar na minha lojinha online”, afirma Andreza Rodrigues dos Santos, estudante de Publicidade e Propaganda.

DICAS

 “A necessidade de distanciamento social é passageira e muito em breve retornaremos presencialmente aos vínculos afetivos. Bom senso com o perfeccionismo, não se cobre tanto nesse período onde as condições não são a mesma de antes. Fazer atividades físicas mesmo no quintal ou dentro de casa pode ajudar muito”, orienta o psicólogo.

Francisco ainda afirma que estar permanentemente em contato com familiares é fundamental e, na visão do profissional de saúde, este é o momento de apreciar as mais variadas artes, músicas, filmes, lives, shows e séries disponíveis na internet.

E não para por aí! A futura publicitária Andreza também dá dicas para as pessoas que sofrem da doença e precisam de ajuda. “Eu acho que é importante sempre nos mantermos informados, porém não ficar muito fixado. O dia todo vendo notícias, para nós ansiosos, pode ser muito para processar. Procuro vídeos relaxantes, fazer meditação ou exercícios.”

Por fim, a jornalista Rayeni  também afirmou a importância de nunca deixar a mente parada. “O importante é nunca paralisar a mente. Manter a cabeça sempre ocupada é fundamental, fazer uma terapia ocupacional em casa mesmo, com algo que goste também, seja dançar, maquiar, ler, ver lives, fazer exercícios. Mas independentemente do tempo que dure a pandemia, nunca, em hipótese alguma, pare sua mente!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Portal FACOPP | Faculdade de Comunicação Social "Jornalista Roberto Marinho" de Presidente Prudente | © 2019 Todos os direitos reservados.