Professor da Facopp inicia projeto fotográfico

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

09/06/2020 às 12:00
Daniel Alvarez

Uma das fotografias reproduzidas por Pandur é de uma casa situada na rua Doutor Gurgel (Foto: Renato Pandur)

Encarada como paixão por muitos, a fotografia é um importante instrumento de registro da história. Dentro de um clique podem existir diferentes narrativas e contextos. Um dos apaixonados pela fotografia é Renato Pandur, docente da Facopp, que durante essa quarentena aproveitou para iniciar o Projeto Antes e Depois Presidente Prudente, que mescla fotografias antigas e atuais de diversos pontos do município.

Pandur conta que inicialmente a ideia do projeto surgiu após um amigo criar um grupo no Facebook, no qual os membros podem postar fotos históricas da cidade. Interessado pela temática proposta pelo grupo, ele resolveu participar. “Em uma das postagens, a pessoa colocou a imagem antiga e um print do Google Maps do mesmo local, lado a lado. Na hora eu pensei: ‘que massa seria se eu conseguisse reproduzir isso só que com uma foto tirada’.”

Com a ideia em mente e a câmera em mãos, o trabalho foi iniciado. Mas se você pensa que é uma tarefa fácil se engana, fotografar vai muito além do que apenas ir até o local capturado na imagem antiga. Pandur afirma que antes dos cliques há todo um trabalho de pesquisa do local e estudo de ângulos para que a sobreposição das imagens fique precisa.

Colégio Arruda Mello, onde hoje é a Etec, no Centro de Presidente Prudente (Foto: Renato Pandur)

“Primeiro eu vejo a foto, busco aquelas que tenham certa relevância, como uma rua famosa ou um monumento que todo mundo conhece, ou até mesmo um local com uma estrutura bacana, não precisa ser necessariamente famoso. A partir daí eu vou no local e tento fazer a leitura do ângulo, posição. Tento fazer uma leitura da foto antiga com meu olhar para ficar mais próximo o possível da original”, explica.

Mesmo com todo esse trabalho, Pandur encara o projeto como uma forma de lazer e diz sentir diferentes sensações ao visitar os locais para fotografar. “Parece que você está num portal do tempo. Eu olho para o lugar e para a foto antiga e penso ‘cara, a anos atrás tinha uma pessoa aqui nesse mesmo lugar, olhando para essa imagem que eu estou olhando agora’. É muito louco isso, é uma energia, essa é a parte mais legal do projeto.”

Depois de capturada, a foto passa por um processo de pós-produção, no qual é editada e unida com a antiga, finalizando como uma imagem só. O professor também utiliza o formato de vídeo para fazer a sobreposição e mostrar as mudanças ocorridas em cada um dos locais fotografados.

Com aproximadamente 15 fotografias já finalizadas, Pandur posta os resultados na página Paraver Foto Clube  e diz que ainda há muitos outros cliques por vir. “Não tenho data para encerrar o projeto. Todo dia surge uma foto bonita e bacana no grupo que vale a pena ir lá e fazer o novo registro”, conclui.

PESQUISA PROFUNDA

Ainda em produção, uma das fotografias que o professor pretende tirar exigiu uma dedicação maior na etapa de pesquisa. Isso porque a imagem da década de 70 mostra uma ponte onde atualmente é o Parque do Povo, quando ainda não era coberto e por onde passava o Córrego do Veado.

“Tive que fazer uma pesquisa com moradores antigos, para depois descobrir que a ponte ficava próxima a TV Fronteira. O local aproximado eu já tinha, mas ainda faltava saber onde passava exatamente o córrego para conseguir a distância e ângulos corretos. Então tive que ir atrás de mapas da prefeitura, para saber corretamente onde passava”, explica o professor.

DIFERENÇAS TEMPORAIS

Apesar de sempre notáveis nas imagens, uma das diferenças que mais chamam a atenção de Pandur diz respeito à poluição visual. Mesmo com algumas das mudanças vindo como consequência do progresso do município, o professor considera que antes a cidade era mais bonita.

“Algumas fotos antigas eu não consigo fazer a reprodução fiel, isso porque tem tanto fio na frente, placas publicitárias e poluição visual que o homem colocou e acabou destruindo a paisagem que era bonita antigamente. Isso me chamou bastante atenção em todas as fotos que fiz”, finaliza.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Portal FACOPP | Faculdade de Comunicação Social "Jornalista Roberto Marinho" de Presidente Prudente | © 2019 Todos os direitos reservados.