Terceiro Colóquio Facopp promove troca de ideias e debates sobre a pesquisa científica

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

20/04/2017 às 13:00 – Atualizado em: 20/04/2017 às 20:40 
Beatriz Duarte, Isabela Sanchez, Sandra Prata e Simone Ramos

Beatriz Vitrio

Jornalismo Político e Comunicação nas TVs Universitárias foram temas centrais discutidos na primeira noite do evento


A terceira edição do Colóquio Facopp, organizada pelo professor Rogerio do Amaral, teve início nesta quarta-feira (19/04) e contou com a apresentação das pesquisas realizadas pelos docentes Thiago Ferri e Matheus Monteiro, além das comunicações orais, nas quais os alunos tiveram a chance de mostrar trabalhos de conclusão de curso (TCC) e pesquisas científicas.

Segundo Rogério, o Colóquio é o momento no qual a faculdade pode mostrar aos alunos a importância da pesquisa na formação acadêmica. “A formação se constrói em cima de um tripé, ensino, pesquisa e extensão”. Para aqueles que pretendem fazer uma iniciação científica é importante participar. “Ajuda a escolher a estrutura que eles devem adotar no desenvolvimento de uma pesquisa”.
 
Na abertura da primeira noite do evento, Thiago Ferri apresentou sua pesquisa de conclusão da pós-graduação, voltada para a vertente do Jornalismo Politico: “Os blogs e a libertação editorial do Jornalismo Politico”. O estudo que existe desde 2010, consiste em investigar os motivos que levam alguns jornalistas a deixar as redações para trabalhar de maneira independente em blogs.
 
A base de desenvolvimento do tema contou com a participação de nove jornalistas políticos, que além de possuírem serviços em redações tradicionais, aderiram ao blog em busca do jornalismo independente. Uma das principais abordagens da pesquisa foi identificar a maneira que esse veículo online proporciona liberdade editorial. Além disso, analisa o advento dos mesmos, que a partir de 2002 criava-se um blog por segundo.
 
Ferri ressalta que hoje levando em consideração o cenário politico atual, o assunto se popularizou. “A politica está sendo muito debatida, passamos a viver a questão da mídia partidarista, por isso surgiu o interesse pela leitura independente para desenvolver o senso crítico”.
 
Já a segunda conferência, intitulada “Serviço de valor adicionado para venda de produtos na TV universitária: Proposta de um modelo de negócios complementar”, o professor Matheus Monteiro de Lima apresentou os resultados de sua pesquisa exploratória e bibliográfica realizada entre 2013 e 2015, na Unesp de Bauru (SP).
 
Matheus discorreu sobre a implementação do sistema brasileiro de televisão digital, a transformação na produção, distribuição e consumo, trazendo uma nova forma de pensar e contribuir com o  ramo. Explicou as diferenças entre TV pública e privada, as dificuldades que as TV’s universitárias têm em se manter e apontou possíveis modelos de negócios para a TV digital, incluindo as emissoras universitárias.
 
Segundo o docente, a partir da web 2.0 houve a digitalização dos meios de comunicação, assim a produção e distribuição dos conteúdos noticiosos e entretenimento ficou mais acessível. Tal processo deixou claro que hoje não são somente as grandes emissoras, editoras e jornais  que podem produzir esses conteúdos. Atualmente há um grande número de blogs e pessoas produzindo vídeos para a  plataforma do YouTube  que abriu espaço para a entrada de várias emissoras de TV, rádio entre outras.

“O estudo da comunicação em televisão universitária, ainda é um ramo muito pouco estudado, principalmente pelos brasileiros. Eu  e a professora Thaisa Bacco fomos uns dos que tiverem interesse de estudar o assunto. Foi super legal poder dividir essa área com os alunos dentro do evento”.

Comunicações Orais

O início das comunicações orais ficou de responsabilidade do TCC “O uso do filme de animação como ferramenta pedagógica no ensino básico de Presidente Prudente”, dos ex-alunos, Gabriela Leal, Gabriel Mota, Isabela Garcia, Murilo Oliveira e Roberto Kawasaki, orientados pela professora Thaisa Bacco. O trabalho foi desenvolvido no segundo semestre de 2016 e consiste em ensinar a técnica StopMotion para crianças de acordo com um tema relevante para o ensino.
 
Dando continuidade, tivemos a apresentação do trabalho chamado “Centro Cultural Matarazzo: a importância da cultura em Presidente Prudente por meio do web jornalismo”, das alunas do 7° termo de Jornalismo, Amanda Antunes, Giovana Farias, Karen Dantas, Nádia Ribeiro e Thauana Frade, orientadas pelo professor Tchiago Inague. A ideia voltada para o Jornalismo Cultural, quer mostrar através do web jornalismo a maneira que a cultura afeta a vida das pessoas, utilizando como base perfis jornalísticos “Ainda não enxergam o jornalismo cultural como um setor relevante no meio. Pretendemos mostrar que isso vai além”, conta Giovana Farias.
 
A apresentação seguinte teve o intuito de falar um pouco sobre a história do futebol amador no município de Indiana – SP que é o foco do trabalho orientado por Thaisa Bacco, “O videodocumentário como suporte à fixação da memória local: A história do futebol amador no bairro sete copas”, dos alunos do 7° de Jornalismo, Fabio Figueirinha, Fabio Reis, Gabriel Lanza, Leandro Gimenes e Paulo Ribeiro. Os integrantes apresentaram um teaser do trabalho realizado até o momento.
 
Com orientação do professor Roberto Mancuzo, o grupo composto por Ednéia Pedroso, Pâmela Teodoro e Taína Cassiana seguiu as apresentações com o trabalho “A assessoria de imprensa e as novas práticas de relacionamento com a mídia no século XXI”, que tem por finalidade debater a importância da assessoria de imprensa e analisar o desenvolvimento deste setor em relação a internet e mídias sociais na cidade de Presidente Prudente.
 
As alunas do 7° de Jornalismo Anne Abe, Camilla Saldanha, Nellise Pinheiro e Sthephanee Melo explanaram um pouco sobre o TCC que estão produzindo com a orientação da professora Fabiana Alves, denominado “Livro-reportagem: as experiências do jornalista Altino Correia no jornalismo regional”. “O tema surgiu a partir de uma sugestão minha ao grupo, eu conheci ele, os professores disseram que seria um potencial objeto de estudo por conta das suas contribuições e passagem por veículos nacionais”, conta Sthephanee.
 
E para encerrar a primeira noite de apresentações Roberto Mancuzo e o aluno do 6° de Jornalismo, Francisco Alves contaram um pouco sobre o processo de produção do trabalho chamado “Mapeamento do agronegócio no pontal do Paranapanema”, no qual será produzido um videodocumentário que discorrerá sobre venenos jogados nas plantações e como isso afeta a vida dos assentados do Pontal do Paranapanema. 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Portal FACOPP | Faculdade de Comunicação Social "Jornalista Roberto Marinho" de Presidente Prudente | © 2019 Todos os direitos reservados.